Ato mobiliza servidores públicos federais em Chapecó

foto7

     O Ato em Apoio à Marcha do Funcionalismo Público Federal foi realizado nesta quarta (22) na praça Coronel Bertaso, em Chapecó/SC, e contou com a presença de Técnicos Administrativos em Educação (TAE’s) e docentes da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), e de integrantes de sindicatos e movimentos sociais locais.

     A atividade foi convocada e organizada pelo Comando Local de Greve dos TAE’s da UFFS e Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos(as) em Educação na Universidade Federal da Fronteira Sul (SINDTAE) para chamar a atenção da comunidade para a luta e mobilização da categoria, que está em greve em todos os seis campi da universidade. A paralisação nacional dos TAE’s e docentes federais foi deflagrada no dia 28 de maio. A movimentação ocorrida em Chapecó se solidarizou em apoio a Marcha dos Servidores Públicos Federais (SPF), que aconteceu neste mesmo dia em Brasília/DF.

     Na capital, manifestantes oriundos de diversos estados do país percorreram a Esplanada dos Ministérios em direção ao Palácio do Planalto, para pressionar e pedir uma audiência junto à Secretaria Geral da Presidência da República para que esta interfira no processo de negociação da greve nacional dos SPF. Em Brasília, o ato unificado foi organizado pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais, com participação do ANDES-SN e FASUBRA, sindicatos nacionais dos docentes e TAE’s federais, respectivamente.

     “Entendemos que nós SPF temos várias pautas em comum. Temos uma atual conjuntura prejudicial no serviço público federal, uma política de cortes nos orçamentos e de não-reposição salarial, falta de data-base e de negociação coletiva. São pontos que nos unem majoritariamente no sentido de tentar melhorar nossas carreiras”, explica uma das coordenadoras do SINDTAE, Dariane Carlesso.

     Para o docente da UFFS, Danilo Martuscelli, que participou do ato, este é um momento importante em que é preciso unificar as lutas de trabalhadores e movimentos sociais para enfrentar a atual política de ajuste fiscal que visa retirar direitos trabalhistas e investimentos nas áreas de educação e saúde. “Esta luta que estamos fazendo aqui é em defesa da educação e saúde públicas, do serviço público e também da categoria dos trabalhadores de uma maneira geral”, afirma. Martuscelli lembra que os docentes da UFFS aprovaram recentemente um indicativo de greve (confira reportagem no link: http://goo.gl/dOsGzP), e que no final de julho a categoria pretende discutir novamente a adesão ao movimento paredista nacional.

Quadro da greve da Educação Federal:

– 66 sindicatos locais de técnicos-administrativos (Fasubra)

– 41 seções sindicais de docentes (Andes-SN)

– 17 seções sindicais de institutos, abrangendo 76 campi (Sinasefe)

foto1 foto2 foto3 foto4 foto5 foto6 foto8

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s